terça-feira, 8 de junho de 2010

Sentada a beira do caminho

Ela esteve sábado no Altas Horas. Ela deteeeesta programas de televisão. Ainda mais com auditório. E dá pra perceber, quem já viu ela ao vivo em outras situações, que ela tá bem desconfortável.

Mas, mesmo assim, ela demonstra que é a maior cantora desse país. Que não é pequeno, veja bem, e cheio de arremedos de cantoras (né Claudia Leite e Ana Carolina?)

Quando ela começa o "preciso acabaaaaaaaaaaar logo com isso" me mijo toda.

Só achei o Erasmo na capa da gaita né não?

3 comentários:

Du disse...

eu cresci ouvindo as birras da minha mãe (que é apaixonada por música e tem um quedão pela MPB) sobre a Bethânia. mas, a última vez em que parou pra ouví-la, provavelmente, foi em 1980, então a maioria das implicâncias já não se sustentam mais - mesmo porque a Bethânia de hoje não passa perto da de ontem. agora, não consigo deixar de concodar com ela em um ponto: Bethânia não serve pra dividir verso nem estrofe com ninguém. não dá, o mergulho dela na música é outro, não há cantor que acompanhe. um e outro cantando uma parte da música vá lá, mas dividir a mesma coisa, ao vivo, não fica nunca bom, sobretudo quando a música tem um ritmo mais lento, como é essa versão aí.

mas esse tralálá todo é só pra não vir apenas dizer que o Erasmo, pordeos, tá na virada, viu. me assustou. já soou a corneta, a cruzinha de ferro brilhou e já tem gente cantando a morte.

Solineuzza disse...

Pois é, mas tu sabe que não me incomoda ela dividir os versos com outras pessoas, mesmo cantando ao mesmo tempo com divisões ritmicas diferentes. Acho que fica até bem interessante. Quem faz isso muito bem também é a Nana Caymmi (no disco Resposta ao tempo - um dos melhores da MPB - ela faz isso com o Chico e o Emílio e ficou muito bonito) e a Alcione.

Paulinha_SP disse...

Ela é tudo, amo muito!!!! Conheci mesmo, parei prá ouvir a pouco tempo, na verdade, e não tem nada igual. Bem lembrado que as outras servem como arremedo, APENAS.